Jesus lavando os pés dos discípulos e ensina grandes lições!


Jesus lavando os pés dos discípulos e ensina grandes lições!

João 13:1-20

Certa vez uma pessoa perguntou ao famoso maestro Leonard Bernstein: "Maestro, qual é o instrumento mais difícil de ser tocado?" E ele respondeu com muita firmeza: "É o segundo violino. Temos muitos primeiros violinos, mas é uma dificuldade encontrar alguém que queira tocar segundo violino tão bem ou com o mesmo entusiasmo com que tocaria na posição do primeiro. O mesmo se dá com alguns outros instrumentos e, no entanto, se não houver o segundo instrumento, não haverá harmonia". Palavras muito sábias e verdadeiras.

Numa árvore frutífera os galhos mais carregados de frutos são os que mais se abaixam. Se você é frutífero, então abaixe-se para servir as pessoas com seus frutos, seja humilde! E foi exatamente o que nosso Coach maior ensinou a seus discípulos a apenas um dia de seu sacrifício final.

Jesus possuía consciência de que a sua morte na cruz se aproximava e que Ele era o Cordeiro de Deus do qual o cordeiro da Páscoa era apenas um modelo. Com certeza milhares de cordeiros foram sacrificados em Jerusalém nessa data, mas somente Jesus era o "Cordeiro de Deus que tiraria o pecado do mundo. Se a Páscoa judaica marcou a libertação do sofrimento do cativeiro egípcio, agora Jesus, através do seu sofrimento, libertaria a humanidade da escravidão do pecado. 

Em todas as vilas, aldeias e cidades da Palestina, onde morava alguém do Povo de Deus, podia-se perceber uma preocupação comum: aproximava-se a grande festa da Páscoa.
Os Israelitas celebravam a festa da Páscoa, desde a saída do Egito. Em cada casa, matava-se um cordeirinho, para ser oferecido em sacrifício e comido em família. Sobre a mesa também havia verduras amargas, pão sem fermento e vinho. Para o Povo de Deus, a Festa da Páscoa lembrava a Libertação de Israel no Egito.

Jesus também queria celebrar esta última festa com seus amigos. Para isso, chamou secretamente Pedro e João para preparar esse evento. A localização e detalhes da Última Ceia era um segredo muito bem guardado. Os discípulos não sabiam onde a Páscoa seria realizada, nem quais os preparativos tinham sido feitos. Nem Pedro e João sabiam da localização da casa. Todo esse sigilo ficou por conta de Judas, que já havia concordado em trair Jesus ao informar seu paradeiro em algum momento longe da multidão. 

Com o desejo de cumprir toda a justiça e honrar a lei cerimonial, que ainda durava, Jesus ordenou tudo o que era necessário para comer a Última refeição pascal com os Seus discípulos. Tudo foi feito como Jesus ordenara.

Depois de tudo organizado, Pedro e João aguardaram a chegada de Jesus e os demais discípulos. E na primeira hora da noite, quando Jesus chegou ficou muito satisfeito pois percebeu que tudo tinha sido preparado conforme ele havia designado. Sobre a mesa, estava o cordeiro imolado, o pão, o vinho, os vasos e tudo o que era mais precioso, estavam prontos. Judas que ignorava essa circunstância, estava ocupado com diversos negócios e com a traição por isso chegou minutos depois. 

Todos caminharam para a mesa, onde ficaram em pé diante dos respectivos lugares. Os Apóstolos não sabiam que aquela refeição era a Última Ceia de Jesus e na hora de começar a refeição, Jesus olhou para cada um dos Apóstolos com muito amor e assim falou:
_ Desejei ardentemente comer convosco esta ceia pascal, antes de morrer.
A imolação do cordeiro destinado a Jesus e aos Apóstolos foi uma cerimônia singularmente tocante. Jesus nitidamente emocionado falou então de uma nova época, que começava; disse que então se devia cumprir o sacrifício de Moisés e a significação do cordeiro pascal simbólico; o cordeiro devia por isso ser imolado do mesmo modo que o do Egito, do qual só então o povo de Israel sairia verdadeiramente liberto.

Jesus falou mais tarde a esse respeito; disse que o cordeiro era simplesmente um símbolo, que Ele mesmo, na manhã seguinte, devia ser o verdadeiro Cordeiro pascal. Desse modo instruiu Jesus aos Apóstolos sobre o cordeiro pascal e sua significação.

Quando terminaram de jantar a ceia, jesus levantou-se e foi para uma sala. Aparentemente, tudo estava certo, mas aqueles homens estavam com os pés sujos. Isto era incoerente com a pureza requerida para a ocasião. Todos poderiam estar adequadamente vestidos, mas os pés estavam sujos. Jesus sabia disso. O Mestre sabe das nossas impurezas, pecados e culpas, por menores que possam parecer. Ele não faz “vista grossa”, como se a sujeira não estivesse lá, mas deseja nossa plena purificação.

Era costume na época que os pés dos convidados de uma casa fossem lavados quando eles entrassem. Isto geralmente era realizado pelo o menor escravo. 

Entretanto, Jesus e os discípulos não tinham escravos. Imagino que as tarefas seriam divididas entre eles. Os preparativos da ceia já tinham sido providenciados. Alguém conseguiu o local, outro preparou a mesa, outro comprou os alimentos etc, mas quem lavaria os pés dos presentes? Cada um poderia sentir-se realizado por ter cumprido sua tarefa, mas sempre existe algo que precisa ser feito e ninguém quer fazer.

Naquele momento, Jesus poderia ter ensinado uma lição de independência, ordenando que cada discípulo lavasse seus próprios pés. Seria uma alternativa plausível. Entretanto, Cristo não queria incentivar a autossuficiência, o individualismo e o isolamento, mas sim a comunhão. Poderíamos dizer: “Cada um com os seus problemas. Você lava seus pés e eu lavo os meus”.  Não é este o ensinamento cristão. Por isso, não existe autobatismo nem ceia individual. O desejo de Deus é que seus filhos vivam em comunhão e sejam humildes assim como ensinou nosso Coach.

O sapato, é uma invenção bem antiga. Em 1.500 a.c (aproximadamente), já haviam registros de que o homem, se utilizando de peles de animais, fabricava seu próprio calçado. As sandálias, contudo, sempre foram as preferidas da civilização antiga. Principalmente, as abertas e baixas. O transporte, ainda não era tão veloz e andar a pé, um costume diário. 

O cenário, em Israel, não era diferente. Jesus e os discípulos, caminhavam bastante, e de sandálias. As ruas da época não eram calçadas, viviam empoeiradas, sujas, cheias de lixo e dejetos dos animais que eram em grande quantidade. Portanto os pés, dos antigos, facilmente se enchiam de poeira, barros e vermes. Aos servos, cabia a humilhante tarefa de lavar os pés dos visitantes ou convidados de seus senhores. Uma ação, que resultava em conforto para quem tinha os pés lavados e em demonstração de hierarquia.

Mas quando os discípulos entraram na sala que ficava no andar de cima, parece que ninguém viu a bacia da água e toalha de espera na entrada para a sala de cima. Pessoalmente, eu suspeito que eles estavam todos mais preocupados com os seus esforços para se sentar no melhor lugar de honra na mesa. 

Enquanto perguntavam-se o que estava fazendo, nosso Coach dirigiu-se a uma sala e despiu-se do manto, arregaçando a túnica e vestiu-se com um pano de linho cuja extremidade mais longa pendia para baixo, em seguido dirigiu-se a bacia com água.
Durante esse tempo os discípulos tiveram uma discussão, sobre qual deles devia ter o primeiro lugar. Como o Senhor lhes anunciara claramente que ia deixá-los e que o seu reino estava perto, surgiu de novo entre eles a opinião de que Jesus tinha aspirações secretas, um triunfo terrestre, que se realizaria no último momento.

Entrando pela porta da sala, de forma humilde, Jesus censurou os Apóstolos em poucas palavras, por causa da discussão entre eles, dizendo, entre outras coisas, que Ele mesmo queria servi-los de criado, que tomassem os assentos, para que lhes lavasse os pés.

Então admirados se sentaram, na mesma ordem em que foram colocados à mesa, tendo sido os assentos dispostos em semicírculo. Jesus, indo de um a outro, derramou-Ihes sobre os pés água da bacia. Depois tomava o Mestre a extremidade da toalha de linho, com que estava cingido e enxugava-lhes os pés com ambas as mãos. 

Nosso Coach maior, que desde o inicio da ceia se mostrara singularmente afetuoso, desempenhou-se também desta humilde função com o mais tocante amor. Não o fazia como uma cerimônia, mas como ato santo de caridade, exprimindo nele todo o seu amor.
Jesus, fez mais do que um simples servo faria. Ele, enxugou os pés dos discípulos, com o mesmo tecido que envolvia seu corpo. Ele se despiu, para servir, inclinado apenas com as vestes intimas, lavando os pés dos discípulos. Impossível não comparar a humildade do Mestre, com a arrogância e "superioridade" de alguns líderes atuais que sequer amarrariam o cadarço do sapato de algum discípulo distraído.

Um dia, quando você se achar muito importante! Um dia, quando seu ego estiver no apogeu. Um dia, quando você tiver plena certeza: De que "não há ninguém melhor do que você". Um dia, quando você achar que sua partida, deixará um vazio impreenchível. Siga estas instruções bem simples: E você receberá uma lição de humildade incrível. Pegue um balde e encha-o de água até a boca. Coloque a mão dentro, até o fundo. Tire a mão, e o buraco que ali permanecer, terá o tamanho da falta que você fará neste mundo. Talvez você transmita alegria quando chega. Talvez agite água em profusão. Mas, pare, e em pouco tempo verá, que tudo ficou como era antes. A intenção deste estranho exemplo, é você entender que não existe nenhuma pessoa insubstituível. Você não nunca será o último biscoito do pacote.

Conta-se a história de um líder que recebeu um prêmio por ser "o mais humilde". Mas no domingo seguinte, eles lhe tiraram o prêmio porque ele havia aceito o mesmo! Talvez rimos desta história, mas isto é verdade: quando uma pessoa pensa que é humilde, ela na verdade não o é.

O palito de fósforo levou a fama, mas deveria recusar o nome. Devia recusar o crédito, porque na realidade, o fósforo mesmo não está na cabeça do palito, está naquela lixa áspera colada nos dois lados da caixinha. 

A humildade exprime, uma das raras certezas de ninguém é superior a ninguém. Mas parece que muitas pessoas não sabem disso. Esses dias eu ouvi uma dessas pessoas arrogantes esbravejando com um modesto caixa de supermercado por ter recebido uma resposta que ele não esperava. 

_ Você por acaso sabe com quem você está falando?

Imediatamente lembrei-me de um trecho do livro “Qual é a tua obra?”, escrito pelo filósofo Mario Sergio Cortella, quando me deparei com um capítulo muito interessante e que, me parece, sugere uma resposta bastante adequada para a pergunta do arrogante em questão. O autor defende que nestes casos, em que as pessoas carecem de humildade, a física quântica pode ser bastante indicada e explica tal afirmação com o seguinte raciocínio: “Hoje, em física quântica, não se fala mais em universo, mas em multiverso. A suposição de que exista um único universo não tem mais lugar na Física. 

A ciência fala em multiverso e que estamos em um dos universos possíveis. Os cientistas calculam que existam somente em nosso universo aproximadamente 200 bilhões de galáxias. Uma delas é a nossa, a Via Láctea… Aliás, nem é uma galáxia tão grande; calcula-se que ela tenha cerca de 100 bilhões de estrelas… 

Nessa nossa galáxia, repleta de bilhões estrelas, uma delas é o que agora chamam de estrela anã, o Sol. Em volta dessa estrelinha anã, giram algumas massas planetárias sem luz própria, nove ao todo, talvez oito (pela polêmica classificação em debate). A terceira delas, a partir do Sol, é a Terra…, um lugarzinho que tem uma coisa chamada vida. A ciência calcula que em nosso planeta haja mais de trinta milhões de espécies de vida, mas até agora só classificou por volta de três milhões. Uma delas é a nossa: homo sapiens… Essa espécie tem, até 2016, aproximadamente 7 bilhões de indivíduos. E você é um deles.

Então… Você é um entre 7 bilhões de indivíduos, pertencente a um única espécie, entre outras três milhões de espécies classificadas, que vive num planetinha, que gira em torno de uma estrelinha anã, que é uma entre 100 bilhões de estrelas que compõem uma galáxia, que é uma entre outras 200 bilhões de galáxias num dos universos possíveis…
É por isso que todas as vezes na vida que alguém lhe perguntar: ‘Você sabe com quem está falando?’, segundo o conselho do filósofo você deve responder;

 _Você tem tempo?
Bem, após ler estas palavras, me parece claro que, ao nos considerarmos superiores aos nossos semelhantes, agindo com arrogância e desprezo, estamos nos atribuindo uma superioridade que na realidade não temos. A vida é frágil e não há cargo ou posição social que nos imunize contra a transitoriedade de nossa existência. Portanto, precisamos trabalhar cada vez mais na conscientização coletiva de que é preciso superar a falta de humildade e a intolerância para que possamos aproveitar da melhor forma possível nosso tempo neste planetinha.

Que contraste incrível ao lembrarmos que o próprio Criador se inclinou diante de Suas criaturas para lavar a parte mais humilde de seus corpos. Ainda hoje, em muitos países da Ásia, as plantas dos pés são consideradas uma das partes mais repudiadas do corpo.
Veja o que está escrito no Manual do viajante – Oriente Médio; Também nunca mostre a sola dos sapatos ao cruzar as pernas, estará assim, insultando o seu anfitrião pois a sola é a parte mais baixa do corpo, portanto a mais suja. 

Quando chegou a vez de Pedro, este com seu jeito sanguíneo de ser quis recusar, dizendo: 

_ Vai lavar os meus pés, Senhor?

_ Agora você não entende o que estou fazendo, porém mais tarde vai entender! - disse Jesus.

_ Não mesmo! O senhor nunca lavará os meus pés! 

Isso seria a morte. Imagine o pó dos pés, ganhando diariamente proporções irremovíveis, adoecendo o corpo inteiro.
Pedro não conseguiu entender o fato de que lavar os pés, por nosso Senhor simbolizava o propósito subjacente e espiritual da vinda de nosso Coach maior. Ele veio para servir e não ser servido. Recusar que Jesus lavasse os pés era o mesmo que rejeitar o princípio no qual a missão de Jesus foi baseada. Seria recusar uma das condições primárias do discipulado cristão, a humildade. Se você é realmente um verdadeiro cristão, precisa aceitar o fato de que deve praticar a humildade em sua vida. Um cristão arrogante, é um falso cristão.

_ Se eu não lavar, você não será mais meu discípulo! — respondeu Jesus.

Preste atenção na resposta de nosso Coach maior, se você não usar as sandálias de Jesus, não pode ser um dele. Faz sentido isso para você? Isso é tão forte no trabalho de Jesus que ele escolheu uma grupo de pessoas simples para seguí-lo. Poderia ter escolhido as mentes mais inteligentes da época. Pessoas que tivessem diplomas que comprovassem suas capacidades intelectuais e não simples pescadores. Mas ao contrário disso, seu grupo era composto por pessoas de todas as classes sociais.

Muitas vezes nossa falta de humildade obriga-nos a escolhermos as classes de pessoas que devem participar de nosso convívio social. Por isso acabamos deixando de aprender coisas incríveis com as pessoas que julgamos menos inteligentes do que nós. Isso não passa apenas de vaidade. Tem pessoas que se orgulham de serem amigos de pessoas importantes socialmente e envergonham-se de serem flagradas ao lado de pessoas simples. Minha mãe é uma pessoas muito simples. Por conta das circunstancia da vida, não teve oportunidade de estudar. Ela não tem nem o primário. Mas é uma das pessoas mais sábias que já conheci em toda minha vida. Sempre me surpreendo quando a ouço. Ela tem me ensinado a respeitar as pessoas independente de suas classes sociais. Todo ser humano tem algo a nos ensinar. 

Quando me casei, fui morar nos fundos da casa de minha mãe. Meus amigos me aconselharam a não fazer isso, mas por necessidade não tive outra alternativa. Mas antes da mudança, reuni minha mãe e meus irmãos e pedi que enquanto eu estivesse morando ali nos fundos com minha esposa, que nos tratássemos como estranhos. E assim eles fizeram. Durante muito tempo nunca tivemos problemas. O primeiro ano de meu casamento foi muito conturbado, mas ninguém se envolvia nos problemas dos outros.Certa vez, eu tive na madrugada uma discussão feia com minha esposa. Então muito irritado, peguei meu travesseiro e sai de minha casa para dormir na casa de minha mãe, deixando minha esposa sozinha. Mas quando ela me atendeu, para minha surpresa, me disse que deveria voltar para minha casa, para minha família a me acertar com minha esposa. Então tive que voltar para mina casa. Minha esposa diz que depois daquele dia, minha mãe a ganhou de vez.  Uma pessoa simples, que não teve a oportunidade de estudar como eu, tem me ensinado coisas que jamais aprenderia nas rodas dos intelectuais. E e minha esposa somos líderes de um grupo de casais, e decidimos que jamais usaremos esse trabalho para fazer uma panela de casais escolhido por causa de seus títulos sociais. Tenho o maior orgulho de ter em nosso grupo um misto de pessoas de várias classes e temos aprendido muito uns com os outros.

De forma típica, Pedro compensou exageradamente protestando com impulsividade, talvez sem graça por ter sido pego em seu egoísmo orgulhoso. Pedro mais uma vez reagiu com exagero. 

_ Então, Senhor, não lave somente os meus pés; lave também as minhas mãos e a minha cabeça!

Jesus não o tratou com delicadeza mas também não desistiu dele; 

_ Quem já tomou banho está completamente limpo, portanto, precisa lavar somente os pés. 

Ao entregarmos a vida para jesus, todo nosso ser é restaurado. Ele, nos purifica de todo o pecado. A lavagem do espírito completa, foi feita na cruz com sangue puro do cordeiro. Os pés, contudo, dia após dia, necessitam de "tirar a poeira". Entregar os pés para Jesus lavar, simboliza: Intimidade, refrigério e santificação. É a caminhada diária do cristão, sendo renovada pela comunhão com o Coach maior.

As mãos do Mestre, carinhosamente, limpam nossos pés diariamente: "Ele nos prepara para a jornada da vida". Isso é favor, imerecido! Um Rei, se despindo, para lavar os pés de seus súditos! Mas não devemos fazer como Pedro, que impôs distância. Levantou um muro entre ele e o mestre.

Quando eu era garoto, se acontecesse de nosso vizinho ficar chateado comigo, aquilo não me incomodava muito. Mas se fosse o meu pai quem estivesse aborrecido comigo, aí já era outra história. Nosso relacionamento ficava interrompido; não conseguia encará-lo e não podia chegar perto dele alegremente. Quando havia alguma coisa errada entre mim e meu pai, eu não suportava aquela situação. Tinha que acertar as coisas. Não conseguia dormir direito enquanto não restabelecíamos nosso relacionamento. 

O mesmo acontece hoje conosco e nosso pai Pai celestial, não conseguiremos suportar a situação de sujeira acumulada em nossos pés. Inevitavelmente em algum momento você não suportará mais esse desconforto e clamará a necessidade de limpar as sujeiras acumuladas. Precisamos chamar nosso Coach para lavar nossos pés diariamente para tirar a sujeira e o mal cheiro  que a falta um relacionamento diário com nosso mestre provocam em nossas vidas.

Esse relacionamento diário, não só nos manterá limpos como perfumados com a doce presença dele. Rita Snowden, escritora britânica, conta sobre uma pequena cidade que visitou próximo a Dover, na Inglaterra. Enquanto tomava seu chá da tarde, ela começou a sentir-se como em um campo florido. Um aroma doce e agradável parecia estar, de repente, em todos os lugares. Ela chamou o dono da Cafeteria e perguntou sobre aquilo. 

Ele apontou para uma fábrica que ficava não muito distante do local onde estavam. Disse ele: "Encerrou-se o expediente na fábrica de perfume e os trabalhadores estão retornando para suas casas. O cheiro que você está sentindo está nas roupas dos operários". Nós, cristãos, devemos levar para nossas casas o perfume doce e admirável do Senhor Jesus Cristo! Se nós temos estado com Ele, sua fragrância estará em nós! Se nós temos estado com Ele, desejaremos que todos aspirem Sua essência enquanto caminhamos de volta ao nosso lar. 

Gosto muito de imaginar o que a Bíblia diz que acontecia em Gênesis quando Deus descia todas as tardes para tomar seu café da tarde com Adão e Eva. Deus nos criou para ter relacionamento com ele. Ele tem nos procurado por esse relacionamento desde o início da criação e temos visto isso ao longo da história da humanidade.

Minha mente é muito criativa, por isso em certa época de minha vida ficava imaginando como seria bom ter vivido na época do antigo testamento. Imaginava como seria bom ter presenciado a abertura do mar vermelho, a coluna de fogo conduzindo o povo pelo deserto, a voz de Deus falando a Moisés como um trovão, etc. Depois ao estudar os evangelhos, achei que seria mais emocionante viver na época de Jesus. Imaginava-me caminhando com jesus, jantando com ele, presenciando seus milagres e muito mais. Mas depois descobri que os dias atuais em que vivemos é o momento em que mais podemos estar perto de Deus. Pois ele tem procurado estar perto de nós desde o início da criação. Nós é que nos afastamos Dele. Primeiro Deus nos procurou como vemos no antigo testamento. Ele de longe acompanhava e chamava as pessoas e lhes dava instruções, depois ele queria mais, desceu aqui nesse mundo e viveu entre nós, mas hoje ele quer mais do que apenas estar do auto nos instruindo ou estar entre nós. Deus nos dias de hoje quer estar dentro de nós. Veja como Deus anseia por nós. Hoje através do Espirito Santo, Deus quer morar dentro de nós e nos ajudar a moldar nosso caráter. Que notícia maravilhosa, que história de amor fantástica!

Para isso é preciso que investir tempo nesse relacionamento. Certa vez, um Coachee que eu acompanhava já uns dois meses, me perguntou; 

_ Clailton, qual o segredo para se ter uma vida de profunda comunhão com Deus?

Como aprendi com meu Coach maior, respondi a ele contando a seguinte parábola. Um jovem cristão subiu a montanha que ficava de frente ao mar, onde no topo morava um grande mestre cristão, conhecido por ter uma vida de grande comunhão e proximidade com Deus.

Perguntou o jovem:  _ Mestre, o que eu faço para ter uma vida de profunda comunhão com Deus? Qual o segredo?

O sábio mestre, sem responder palavra alguma, se levantou, foi até à porta e sinalizou ao jovem que lhe acompanhasse por um caminho.

Desceram a montanha em um silêncio ensurdecedor, pois o jovem estava inquieto para saber a resposta sobre o segredo para se chegar mais perto de Deus.
Chegando à praia o mestre continuou caminhando em direção à água. A água batia nos pés, depois nas canelas, nos joelhos e o mestre continuava a ir cada vez mais para o fundo.

O jovem cristão hesitou, mas o mestre insistiu que ele lhe acompanhasse. A água já estava na altura da cintura quando, de repente, o mestre derruba o jovem e segura sua cabeça debaixo d’água, sem dar-lhe qualquer chance de se levantar.

O jovem se debate, tenta escapar dos braços do mestre, se esperneia, bebe água do mar, mas o mestre o segura com a maior firmeza possível.

Quando o jovem cristão já estava quase morrendo afogado, o mestre lhe solta. O rapaz se levanta com violência, finalmente respira engasgado, cospe água salgada e não consegue esconder a raiva que estava sentindo:

_ Você está louco?! Você quer me matar?!

O velho e sábio mestre cristão responde:

_ Eis o segredo da comunhão com Deus que você está buscando! Está diante de você!

_ Qual é esse segredo?

_ O dia em que você buscar a Deus como você buscava o ar para respirar enquanto estava com a cabeça debaixo d’água e quando te soltei, você O encontrará.

Ainda completando as resposta que tinha dado a pedro, Jesus fez questão de dizer quais eram aqueles que tinham plena comunhão com ele; 

_ Vocês todos estão limpos, isto é, todos menos um. Com estas palavras referiu-se a Judas que apesar de andar com eles, não era um deles.
Depois de lavar os pés dos seus discípulos, Jesus vestiu de novo a capa e sentou-se outra vez à mesa e perguntou:

_ Vocês entenderam o que eu fiz? Vocês me chamam de “Mestre” e de “Senhor” e têm razão, pois eu sou mesmo. Se eu, o Senhor e o Mestre, lavei os pés de vocês, então vocês devem lavar os pés uns dos outros. Pois eu dei o exemplo para que vocês façam o que eu fiz. Eu afirmo a vocês que isto é verdade: o empregado não é mais importante do que o patrão, e o mensageiro não é mais importante do que aquele que o enviou. Já que vocês conhecem esta verdade, serão felizes se a praticarem.

Mestres e servos, se igualam, ao viverem em humildade e amor. Porque o amor e humildade são perfeitos. Aprimora o ser que passa a enxergar a si mesmo, no outro.
Nas igrejas, instituições, Ongs e nas empresas atuais, as pessoas se empolgam com os cargos que recebem, mas depois percebemos como seus entusiasmos vão morrendo, mesmo tendo cargos importantes. Por quê? Porque essas pessoas não aprenderam a servir, mas apenas exercer a função ou ação natural de próprios cargos, sejam eles pastores, professores, voluntários, gerentes, presidentes etc. 

Como é possível uma pessoa permanecer por longos anos dentro de uma organização, se desanimam tão rapidamente, assim que surge um problema? Correm em seguida, para uma ou outra  organização qualquer para pedir nova oportunidade e a inquietação continua! O problema é, que enquanto não aprendermos que a nossa missão é servir a Deus e àqueles que Ele nos envia, não cresceremos, apenas minguaremos.

Certa vez Spurgeon disse; "Eu não ousaria usar uma coroa de ouro na terra onde o meu Senhor usou uma coroa de espinhos".

PARA PENSAR E FAZER:
1.Pratique a humildade. Deixe de ser arrogante, egoísta. Mude seus comportamentos; aja conforme a natureza divina. Ex: pastor e o escorpião.
2. Diariamente lave seus pés espirituais. Ou seja, confesse seus pecados e tenha um relacionamento diário com o mestre.

0 comentários:

Postar um comentário